sábado, 15 de abril de 2017

Conto: Olhos refletidos num espelho iludido

Imagem relacionada    "Naquele dia a cumplicidade e a afinidade nasceram de uma forma inexplicável. Logo que ela entrou na loja e trocamos nosso primeiro olhar, percebi que uma história inteira começava a ser escrita. Levou-me para casa e me deixou lá, no lugar em que seus olhos esbarrariam sempre ao passar. E assim vimos o tempo passar por nós e com ele as mudanças vieram.

      No início, aqueles olhos furtivos e envergonhados me procuravam com medo e inseguros do que eu poderia dizer. Eu dizia a verdade. Sempre e somente ela. Mas sem demora fomos apresentados e nos tornamos amigos fiéis.

       Logo vieram aqueles pontos vermelhos que macularam o seu rosto. E eles a afligiam tanto. Pobre ser, aprendendo a viver. O cabelo cresceu. Mudou de cor tantas vezes que era como se estranhos muito familiares me surpreendessem de tempos em tempos. Ela cresceu, cresceu tanto que já não cabia mais em mim.

     Cresceu e metamorfoseou-se como um camaleão. Cada dia uma forma diferente, um rosto deformado e alterado me encarando. E isso muito me assustava. Diferente de mim, sempre o mesmo, ela estava em constante transformação na busca pela sua identidade. Éramos uma constante metáfora da oposição. Eu a verdade, ela o disfarce de suas múltiplas faces. Eu o silêncio, ela um turbilhão de vozes que atacavam os muros das convenções e ecoavam nos muros das hipocrisias ao seu redor. Eu uma frieza transparente, ela o calor das emoções. Eu a morte, ela a vida. E eu estava acostumado com isso.

       De repente, aqueles olhos brilharam e o sorriso se alargou. Quando percebi alguém mais me encarava. E eram felizes. O que eu lhes mostrava parecia os satisfazer. E eu também era feliz, apesar de não ser mais tão procurado como antes. A felicidade dela era a minha. Eu continuava ali, simplesmente ali. Esperando...

         Mas de repente, do riso fez-se o pranto, como disse ela certa vez ao recitar em minha frente muitas vezes um poema para a aula de português. Seus olhos ficaram sozinhos novamente. Eu não entendia o que estava acontecendo. Seu olhar fuga de mim. Era como se o que eu lhe mostrava estava errado. Não fosse suficiente. E então o vazio neles si instalou. Lágrimas rolaram. E as crises vieram.

        Eu tentava mostrar algo que a deixasse feliz, melhor. Mas como sempre, o que eu tinha a oferecer era a verdade. Ela, e somente ela. Mas isso doía. E então, num olhar irreconhecível e cheio de frustração fui ao chão e me transformei em vários. Tantos de mim espalhados peloso soalho, incapazes de juntar novamente. Pouco a pouco sendo lavados pelas lágrimas que caíam. Um punhado de cacos inúteis, partidos para sempre, ferindo qualquer um que tentasse se aproximar ou me tocar.

          Uma vida inteira, toda uma relação, destruídas por um momento de insensatez Impulsos que cegaram e desmancharam tantas memórias. Ou talvez tudo fosse mentira, uma única ilusão em um mar de verdades. Criada por uma mente nebulosa e paranoica. Sepultado agora em uma Lo-debar, lugar de esquecimento, só resta me afogar nas lembranças do paraíso que eram os seus olhos."

Jean D. Thoni Oliveira

2 comentários:

  1. Ai Jean...não posso falar nada, porque estou emocionada...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oooiii, Francine. Quanto tempo!!?
      Aaaaahhh, obrigado!!!
      Que legal que você gostou tenho muitas outras produções minhas, vou começar a postar mais então.
      Abraçoooo, Jean!!!!!

      Excluir