sábado, 15 de abril de 2017

Conto: Olhos refletidos num espelho iludido

Imagem relacionada    "Naquele dia a cumplicidade e a afinidade nasceram de uma forma inexplicável. Logo que ela entrou na loja e trocamos nosso primeiro olhar, percebi que uma história inteira começava a ser escrita. Levou-me para casa e me deixou lá, no lugar em que seus olhos esbarrariam sempre ao passar. E assim vimos o tempo passar por nós e com ele as mudanças vieram.

      No início, aqueles olhos furtivos e envergonhados me procuravam com medo e inseguros do que eu poderia dizer. Eu dizia a verdade. Sempre e somente ela. Mas sem demora fomos apresentados e nos tornamos amigos fiéis.

       Logo vieram aqueles pontos vermelhos que macularam o seu rosto. E eles a afligiam tanto. Pobre ser, aprendendo a viver. O cabelo cresceu. Mudou de cor tantas vezes que era como se estranhos muito familiares me surpreendessem de tempos em tempos. Ela cresceu, cresceu tanto que já não cabia mais em mim.

     Cresceu e metamorfoseou-se como um camaleão. Cada dia uma forma diferente, um rosto deformado e alterado me encarando. E isso muito me assustava. Diferente de mim, sempre o mesmo, ela estava em constante transformação na busca pela sua identidade. Éramos uma constante metáfora da oposição. Eu a verdade, ela o disfarce de suas múltiplas faces. Eu o silêncio, ela um turbilhão de vozes que atacavam os muros das convenções e ecoavam nos muros das hipocrisias ao seu redor. Eu uma frieza transparente, ela o calor das emoções. Eu a morte, ela a vida. E eu estava acostumado com isso.

       De repente, aqueles olhos brilharam e o sorriso se alargou. Quando percebi alguém mais me encarava. E eram felizes. O que eu lhes mostrava parecia os satisfazer. E eu também era feliz, apesar de não ser mais tão procurado como antes. A felicidade dela era a minha. Eu continuava ali, simplesmente ali. Esperando...

         Mas de repente, do riso fez-se o pranto, como disse ela certa vez ao recitar em minha frente muitas vezes um poema para a aula de português. Seus olhos ficaram sozinhos novamente. Eu não entendia o que estava acontecendo. Seu olhar fuga de mim. Era como se o que eu lhe mostrava estava errado. Não fosse suficiente. E então o vazio neles si instalou. Lágrimas rolaram. E as crises vieram.

        Eu tentava mostrar algo que a deixasse feliz, melhor. Mas como sempre, o que eu tinha a oferecer era a verdade. Ela, e somente ela. Mas isso doía. E então, num olhar irreconhecível e cheio de frustração fui ao chão e me transformei em vários. Tantos de mim espalhados peloso soalho, incapazes de juntar novamente. Pouco a pouco sendo lavados pelas lágrimas que caíam. Um punhado de cacos inúteis, partidos para sempre, ferindo qualquer um que tentasse se aproximar ou me tocar.

          Uma vida inteira, toda uma relação, destruídas por um momento de insensatez Impulsos que cegaram e desmancharam tantas memórias. Ou talvez tudo fosse mentira, uma única ilusão em um mar de verdades. Criada por uma mente nebulosa e paranoica. Sepultado agora em uma Lo-debar, lugar de esquecimento, só resta me afogar nas lembranças do paraíso que eram os seus olhos."

Jean D. Thoni Oliveira

Publicação de produções autorais

Olá leitores do blog!
Vocês ainda estão aí? Hahaha!! Acordem...
Faz um bom tempo que não publico nada mesmo, mas isso se deve às incontáveis mudanças que um jovem passa em sua vida. Mas agora voltei, e pretendo publicar aqui algumas produções pessoais. Contos, crônicas, poemas e etc., que produzi e produzo em meus momentos de reflexão interior e evasão de ideias que me ocorrem.
Pode não ser algo bom e satisfatório, mas pelo menos vai me ajudar a compartilhar com o mundo o que penso e mostrar de uma forma metafórica às vezes meus ideais e minha visão de mundo.
Conto com o apoio de vocês.
Espero que gostem.
Abraços, um ser existencialmente confuso vulgarmente chamado Jean. :) ;) 

quarta-feira, 10 de agosto de 2016

Especial: Literatura Juvenil

Olá leitores e devoradores de livros, voltando da inatividade e estado vegetativo, resolvi postar um texto que produzi sobre Literatura Juvenil. Espero que gostem e que lhes seja útil.

"A Literatura Juvenil é o ramo da literatura composta por obras com um conteúdo voltado para jovens e adolescentes, mais especificamente entre 12 e 18 anos. Este é um gênero literário indicado para uma faixa etária específica, a exemplo de outros semelhantes como a Literatura Adulta, Infantil ou Infanto-juvenil. Ao contrário de gêneros literários de natureza literária, como a Fantasia, a Distopia, o Terror e etc. (ARAÚJO).

Este gênero da literatura é consideravelmente novo. Apesar de existir desde muitos séculos atrás, foi a partir de meados do século XX que começou a ganhar atenção e destaque. Foi quando autores como C. S. Lewis, J. R. R. Tolkien e Mark Twain começaram a escrever para o público jovem, produzindo grandes sucessos como “O Senhor dos Anéis”, “As Crônicas de Nárnia” e “As Aventuras de Tom Sawyer”. No Brasil, acredita-se que Monteiro Lobato foi o primeiro no que diz respeito a produzir obras voltadas para crianças e jovens, que, no início do século XIX, era um público relativamente ignorado pelos autores e editoras brasileiras.

  

Atualmente, a Literatura Juvenil está bem repercutida no Brasil e no mundo. Depois do sucesso de publicações como “Harry Potter”, “Percy Jackson e os Olimpianos”, “Jogos Vorazes”, “Diário de um Banana”, “Crepúsculo” e uma infinidade de outros mais, no fim do século XX e início do século XXI, as pessoas passaram a ver com outros olhos o gênero juvenil (ESTANTE VIRTUAL).

A mudança no modo de escrever para os jovens foi o que deu início a essa produção em massa de obras literárias. Autores e editoras notaram o quão fértil poderia ser o vasto campo da até então pouco explorada Literatura Juvenil e começaram a apostar e incentivar a produção desse tipo de obra, pois hoje, um livro de qualidade que atende à insaciabilidade dos adolescentes, pode atingir vendagens exorbitantes.

Um dos motivos a que se pode atribuir essa mudança é a alteração no modo de escrita e formação de tramas e enredos das obras. Não se valoriza mais tanto a contextualização, o meio e o ambiente físico e social da história como costumava acontecer em clássicos da literatura. O que mais tem enfoque hoje nas narrativas é a ação, o desenvolvimento da história em si e a construção dos personagens na sua trajetória. Isso se dá ao fato de que os jovens têm dificuldade em se concentrar em uma leitura lenta e bem contextualizada, e manter o foco na história. Eles preferem uma narrativa mais rápida e cheia de ação (LUFT).


Essa mudança radical na área da Literatura Juvenil é uma das consequências do mundo digitalizado e da rápida troca de informações na Internet. O jovem que está acostumado a interagir de forma instantânea com outras pessoas e ter a sua disposição dados no momento em que quiser, tem mais facilidade de se familiarizar com uma narrativa rápida, clara e objetiva do que com uma narrativa mais lenta e contida.
Referências: 

ARAÚJO, Felipe. Literatura infanto-juvenil. Disponível em:< http://www.infoescola.com/literatura/literatura-infanto-juvenil/>. Acesso em: 15/03/2016.

ESTANTE VIRTUAL. Confira os 6 autores de livros infanto-juvenis mais vendidos na estante virtual. Disponível em:< http://www.estantevirtual.com.br/conteudo/6-autores-infanto-juvenis-mais-vendidos>. Acesso em: 08/05/2016.

LUFT , Gabriela Fernanda Cé. Novos autores para jovens leitores: tendências da literatura juvenil brasileira contemporânea. Disponível em: < http://alb.com.br/arquivo-morto/edicoes_anteriores/anais17/txtcompletos/sem15/COLE_3847.pdf>. Acesso em: 12/05/2016."

terça-feira, 12 de julho de 2016

Resenha: Birman Flint e o Mistério da Pérola Negra

Leitura Atual






Livro: Birman Flint e o Mistério da Pérola Negra
Autor: Sergio Rossoni
Ano: 2015
Editora: Chiado Editora

Edição: 1ª
Páginas: 382 (28 cap.)
Gênero: Fantasia







É o ano de 1920 no mundo animal e um misterioso assassinato leva o jovem repórter Birman Flint, o detetive Gallileu Ponterroaux e Bazzou Rosales, o amigo deles, a embarcar em uma difícil investigação na tentativa de resolver este crime mais do que estranho. Algumas anotações e um símbolo feito pela vítima antes de morrer são as únicas pistas de que eles dispõem. Em pouco tempo este audaz grupo investigativo descobre que algo muito maior que um simples assassinato está se alastrando pelo seu mundo e ameaça a segurança dos seus líderes políticos.

Ao mergulhar em um universo de enigmas, seitas, lendas e perigos mortais estes aventureiros vão descobrir fatos que, além de reviver um passado místico e assustador, vão mostrar que não existem limites entre o real e o fantástico. Artefatos mágicos, deuses, detetives e mistérios antigos, tudo misturado em uma trama de tirar o fôlego.
-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
Bom, para começar devo avisar que o leitor deve iniciar a leitura tendo em mente que a história se passa em um mundo igual ao nosso, porém, é habitado por animais das mais variadas espécies. Só por isso o livro já se torna atraente e curioso para qualquer um. O protagonista é um gato e, se joguem no chão para rir leitores, o detetive é um galo. Me desculpe Sergio Rossoni, mas é que eu achei hilário um galo sendo detetive. Mas recuperando o foco agora, tudo é muito parecido com o mundo real, só que com nomes um pouco diferentes, e isso ajuda bastante o leitor a entender a história. Este livro me lembrou muito aquele desenho animado "Thundercats" e eu precisava o tempo todo lembrar de desenhos animados para formular a descrição dos personagens. Mas, não se engane a obra não tem nem um pouco de caráter infantil.

No início parece uma obra genuinamente de romance policial e detetivesca (criei essa expressão agora, se não existe, sorry me), mas no decorrer da obra a fantasia vai, sutil e lentamente, permeando a história. No fim, temos um desfecho fantástico capaz de enfartar o leitor. Sério, eu realmente amo obras fantásticas, principalmente quando elas são originais e bem escritas. E esta me cativou de uma forma surpreendente.


   







O autor estrutura o enredo muito bem e vai fornecendo as informações no tempo certo, sem deixar a desejar e surpreendendo cada vez mais. O Sr. Rossoni cria uma fantasia sensacional na narrativa, cheia de deuses, guerreiros divinos, guardiões e objetos poderosos. Na verdade, acontece neste livro algo semelhante ao que está em "Os Instrumentos Mortais" (Cara, eu sou louco por esta série. Sou fã do tipo que sai por aí fazendo referências a ela o tempo todo e desenhando os símbolos da série em tudo o que vê.), quando um ser divino vêm à Terra e fornece meios para os mortais vencerem as forças do mal.

A capa e as ilustrações no início da obra estão o máximo. Os capítulos estão em um tamanho confortável. Já ia me esquecendo, preciso mandar meus cumprimentos ao Sergio Rossoni, pois, assim como eu, ele é louco por gatos. Podem nos julgar, mas eles são muito fofinhos mesmo. Algo desnecessário na história, na minha opinião, foi a quantidade de bebidas alcoólicas consumida pelos personagens em suas reuniões.  O surpreendente é que eles não andavam bêbados o tempo todo.

O que deixou a desejar nesta edição da obra foram as orelhas e a contracapa do livro. A letra utilizada e a justificação do texto ficaram um pouco desleixados. Mas o autor foi magnífico no desfecho da história, deixando-nos hiper ansiosos pelo próximo livro da série.

Nível de Recomendação: 8;
Capa: 8,5;
Trama: 7;
Enredo: 7,5;
Desfecho: 9.

sexta-feira, 20 de maio de 2016

Resenha: Animais Fantásticos e Onde Habitam







Livro:
 Animais 
Fantásticos e Onde Habitam
Autor: Newt Scamander (J. K. Rowling)
Ano: 2001
Editora: Rocco

Edição: 1ª
Páginas: 64
Gênero: Fantasia







Newt Scamander é um grande magizoólogo do mundo bruxo da Grã-Bretanha. Após anos de estudo dos animais mágicos e viajar pelo mundo todo em busca de suas suas pesquisas e catalogações, este bruxo formidável resolveu por no papel o seu conhecimento e  a sua experiencia. Dessa forma, os alunos de Hogwarts e bruxos ingleses poderiam se inteirar nos assuntos de seres fantásticos, sua história e tudo sobre suas características catalográficas.
-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
Publicado pela sensacional J. K. Rowling enquanto escrevia "Harry Potter", este livro pertence à biblioteca de Hogwarts. Trazendo aos leitores a oportunidade de conhecer um pouco mais do mundo bruxo. Além desse, existem mais duas obras que seguem a mesma linha da Biblioteca de Hogwarts, "Os Contos de Beedle, o Bardo" e "Quadribol através dos séculos". E acho que é de consenso geral dos leitores que a J. K. Rowling deveria publicar mais um, "Hogwarts, uma história", que narra a trajetória dessa escola de bruxos magnífica.

                                               

O livro aborda assuntos como as leis e regulamentos do Ministério da Magia quanto aos animais fantásticos, definições e conceitos sobre eles, um pouco sobre a pesquisa do Newt Scamander e umas palavrinhas do sábio Alvo Dumbledore. Além disso, a obra também traz um glossário com dezenas de animais mágicos.

Ao lermos a obra temos a oportunidade de ler algo a mais sobre o mundo de Harry Potter e tentar saciar a nostalgia dessa querida série. Em meio ao conteúdo do livro encontramos muitas ilustrações,  rabiscos e anotações do velho trio (Harry, Rony e Hermione), o que nos permite matar a saudade deles. 

Eu simplesmente adorei este livro, mais porque eu teno "Harry Potter" como uma "série-ídolo". Atualmente um longa-metragem baseado no livro está sendo produzido, que narra as viagens e aventuras do magizoólogo Newt Sacamander. O melhor de tudo, J. K. Rowling é uma das roteiristas dos filmes.

Fiquei ansioso para ler os outros dois livros, espero que sejam tão bons quanto este.

Nível de Recomendação: 10;
Capa: 8;
Trama: 9;
Enredo: 10;
Desfecho: 10.

sexta-feira, 13 de maio de 2016

CURIOSIDADES SOBRE STEPHENIE MEYER

Ela é um dos maiores sucessos editoriais dos últimos tempos. Em apenas cinco anos, os seus livros venderam cerca de 90 milhões de exemplares em 50 países e foi traduzido para 37 idiomas diferentes.

Numa certa manhã, a escritora começou a rascunhar a história que viria a ser Crepúsculo. Nos três meses seguintes a autora mergulhou de cabeça na concepção da obra, parando apenas para preparar as refeições para o marido e filhos e levá-los na escola, além do tempo para trocar o CD do seu aparelho portátil. Entre as bandas mais ouvidas, U2, Muse, Linkin Park e Blue October. Criação regada a música pop.


Graças à repercussão da série Crepúsculo, Meyer foi classificada como 49º na lista da revista Time das "100 pessoas mais influentes em 2008". Em 2010, a Forbes classificou-a como a 59º celebridade mais poderosa, com salário anual de US$ 40 milhões.

“Amanhecer” bateu um recorde de livros vendidos na estreia, com 1,3 milhão de exemplares.

Na segunda semana, após o lançamento, “Crepúsculo” já estava na lista dos mais vendidos.

Os filhos se chamam Gabe, Seth, Eli, todos homens; se tivesse uma filha ela lhe daria o nome de Isabella, o mesmo que originou o nome da personagem Bella.

Conhece o marido desde criança, eram vizinhos e ele também frequentava a mesma igreja.


É formada em Literatura Inglesa.



Mantém um blog super visitado.


Ficou deprimida quando os originais dos livros vazaram.


Recusou a primeira versão do roteiro do filme “Crepúsculo”.


Escreve em um notebook andando pelos cômodos da casa.

Referências: 

http://www.geracaobooks.com.br/releases/?id=222
https://pt.wikipedia.org/wiki/Stephenie_Meyer

quinta-feira, 12 de maio de 2016

Resenha: Lua Nova








Livro: Lua Nova
Autor: Stephenie Meyer
Ano: 2006
Editora: Intrínseca

Edição: 2ª (2008)
Páginas: 406(24 cap.)
Gênero: Fantasia







Um dos maiores problemas de namorar um vampiro é que enquanto ele permanece eternamente o mesmo, você vai envelhecer e um dia morrerá. E agora, ao completar o seu 18º aniversário, esta é a maior preocupação da jovem Bella Swan em relação ao seu romance com Edward Cullen. Ela insiste em querer se tornar uma vampira mas ele recusa pois sabe que esse é um pacto eterno e com consequências perturbadoras.

Mas após ver o quanto sua vida sobrenatural ameaça a sua amada, Edward decidir embora e se afastar dela. E agora Bella precisa lutar para sobreviver ao afastamento enquanto uma nova amizade surge. Mas ao descobrir que terríveis monstros estão a persegui-la em busca de vingança ela vê que os caminhos escolhidos por seu coração não têm volta. Mal ela sabe das aventuras e segredos que a aguardam, mas de uma ciosa Bella tem certeza, as lendas estão mais vivas do que nunca.
-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
Iniciei minha leitura da série "Crepúsculo" pelo segundo livro, eu sei que isso não é legal, mas é que eu assisti tantas vezes ao filme "Crepúsculo" que já conhecia toda a estória e o enredo da saga. E como foi a experiência? Bem, posso dizer que foi boa. Gostei de muitas coisas mas algumas me decepcionaram muito.


O livro narra o romance sobrenatural de Bella, uma garota normal, e Edward, um vampiro. Que ao perceberem a impossibilidade do seu amor resolvem "dar um tempo", mas Bella vê que um amor tão forte não pode ser refreado tão facilmente. Ela tenta continuar a vida e até faz um novo amigo, Jacob Black, pelo qual passa a ter sentimentos bem conflitantes. Mas após se ver rodeada por tantos perigos decisões extremas são tomadas e muita ação e aventura acontece.

 Uma das coisas mais legais na obra é o romance vivido pelos personagens, ele é tão verdadeiro e puro que faz o leitor acompanhar a história toda em busca do desfecho. A descrição das partes sobrenaturais e fantásticas foi muito boa. Vampiros, lobisomens e duelos são mencionados com maestria. A linguagem utilizada pela autora foi bem legal, realmente envolve o leitor. A legibilidade da Lady Meyer é uma das principais coisas que garantiram o sucesso dos seus livros.


A protagonista, Bella, é legal mas é muito boba e idiota. Ela fica sofrendo e se martirizando exageradamente pelo amor de um cara que nem é tão cativante assim. Edward é tão perfeitinho que me deu enjoo ler as partes onde ele aparece, e faz um drama sem necessidade. Jacob sim é um personagem legal, gentil, humilde, sentimental, justo e bom.

A obra tem alguns trechos de terror realmente sensacionais, alguns me deixaram de queixo caído. Tipo quando uma velhinha inocente é conduzida para um covil de vampiros sanguinários enquanto ela reza e implora por ajuda. O final foi bem frustrante para mim, pois o que eu mais torcia não aconteceu. A Bella ignora todos os acontecimentos ocorridos desde o início da obra e faz uma escolha (Me desculpem os fãs de "Crepúsculo") bem burra e estúpida. Espero que ela concerte isso no próximo volume, "Eclipse". Estou bem apreensivo pelo que vai acontecer nesse livro e também muito ansioso por lê-lo. Então, por hora é isso e até mais. :)

Nível de Recomendação: 8;
Capa: 5;
Trama: 8,5;
Enredo: 8,5;

Desfecho: 5.